Leitura

Tratamento de glaucoma: quando voltar ao oftalmologista?

Glaucoma é uma doença que, na maioria dos casos, é silenciosa. Por isso, ainda existe uma grande barreira a ser desconstruída para que os pacientes diagnosticados com essa condição realmente se mantenham nos tratamentos de forma eficaz.

É importante manter o tratamento de forma adequada, caso contrário, as consequências podem ser graves para a saúde ocular do paciente, como a perda total da visão.

Uma pesquisa feita sobre a não-adesão terapêutica medicamentosa do glaucoma revelou que um quinto dos pacientes não seguem o tratamento com colírios de forma adequada, situação que contribui para o aumento da prevalência de casos de cegueira no Brasil. ¹

Por isso, a importância em enfatizar que o tratamento não seja interrompido. Vamos conversar melhor ao longo do artigo sobre o que leva a essa desistência, como não sucumbir a ela e manter a saúde dos olhos em dia.

Não deixe esses fatores te afastarem do tratamento

Por não provocar sintomas nos casos iniciais e intermediários, as pessoas tendem a não dar a devida importância ao receber o diagnóstico de glaucoma.

Existem alguns fatores para isso, como o financeiro. Os remédios para o tratamento possuem preços elevados, o que pode gerar um empecilho. Os Programas de Acesso e Programa de Benefício em Medicamentos promovidos pela indústria farmacêutica são importantes facilitadores nesse aspecto, pois facilitam que muitos pacientes tenham acesso a continuem seus tratamentos de uma forma mais acessível.

Outro fator a se levar em conta é a falta de uma melhor relação entre médico-paciente, pois quando o paciente não entende como utilizar o medicamento de forma segura, as chances de abandonar o tratamento se elevam. ¹

9 a cada 10 pacientes com glaucoma não sabem usar colírio corretamente

O tratamento clínico inicial ao ser diagnosticado com glaucoma é à base de colírios. ¹

Pensando em avaliar se os pacientes usavam esse medicamento de forma adequada, uma pesquisa feita com 70 pacientes de glaucoma com idade média de 54 anos foi publicada no Journal of Glaucoma Evaluating Eye Drop Instillation Technique in Glaucoma Patients.

Essa pesquisa revelou que 9 em cada 10 pacientes com glaucoma não são capazes de usar o colírio corretamente, o que se configura como outro fator para a taxa de adesão ao tratamento ser tão baixa. ²

Parâmetros usados para avaliar uso do colírio nos pacientes

·         O tempo levado para introduzir a primeira gota do medicamento²

·         O total de gotas pingadas²

·         O local de contato de cada gota²

·         Qualquer contato com a extremidade da embalagem do medicamento²

·         Fechamento das pálpebras ou do duto lacrimal após a instilação do colírio²

Os resultados mostram que os pacientes possuem dificuldades

·         Em 22 pacientes (31,43%), o colírio caiu nas pálpebras ou nas bochechas; ²

·         Cinquenta e três pacientes (75,7%) tocaram o globo ocular ou o tecido periocular com o frasco do medicamento, contaminando o remédio; ²

·         Vinte pacientes (28,57%) fecharam os olhos após pingarem as gotas de colírio; ²

·         4 pacientes (5,7%) tiveram oclusão do ponto lacrimal; ²

·         Apenas 6 pacientes (8,57%) foram capazes de fazer a aplicação correta do colírio: espremer o frasco em queda e pingar o medicamento no saco conjuntival, sem contato da ponta do frasco com o olho. ²

Como não desistir do tratamento do glaucoma?

A relação médico e paciente vai ser primordial nesse sentido. Após receber diagnóstico de glaucoma, para que sua visão não se deteriore com o passar do tempo de maneira silenciosa, é essencial começar imediatamente o tratamento indicado pelo seu oftalmologista e tirar toda e qualquer dúvida sobre o manuseio dos colírios ou de qualquer outra abordagem de tratamento que for melhor para o seu caso.

 

Com qual frequência ir ao oftalmologista?

É de extrema importância voltar às consultas na frequência que seu oftalmologista indicar. Assim, apesar de não ter cura, tudo ao alcance do profissional será feito para preservar sua visão.

Por se tratar de uma doença silenciosa, avanços podem ocorrer se você ficar muito tempo sem ir ao oftalmologista. Lembrando que quanto mais avançado o glaucoma, os tratamentos passam a ser por laser e cirurgias

Se for possível, sempre mantenha contato com seu oftalmologista de confiança e não hesite em contar toda e qualquer novidade que venha a ter com suas vistas e principalmente, não fique longos períodos sem novos exames e testes.

Convivendo com o glaucoma

Alguns hábitos são alterados após o diagnóstico:

·         Cafeína, por exemplo, deve ser evitada. ³

·         Alguns exercícios físicos aumentam a pressão ocular, por isso, se oriente com seu oftalmologista para saber quais atividades ele libera você realizar. ³

·         Uma alimentação saudável e rica em agentes hidratantes é mais do que recomendada. ³

Esperamos que você tenha compreendido o quão importante é não levar seu tratamento de qualquer jeito ou simplesmente abandoná-lo.

Até porque, sabemos que ninguém deseja perder a visão quando existe um meio para evitar isso. Concorda?

Faça as melhores ações para sua saúde e se cuida!

 

Material para todos os públicos.
XALA-2022-0162 - Julho/2022

 

Referências:

 

1-    Nemesio Brandão, Aldemar. Não-adesão à terapêutica medicamentosa do glaucoma. Doi.org, 2022. Disponível em  https://doi.org/10.1590/S0004-27492008000200014 Acesso em 08/07/22

2-     Prasad, Dr Rajendra. Evaluating Eye Drop Instillation Technique in Glaucoma Patients . Journals lww, 2022. Disponível em: https://journals.lww.com/glaucomajournal/Abstract/2012/03000/Evaluating_Eye_Drop_Instillation_Technique_in.11.aspx. Acesso em: 08/07/22

3-    GLAUCOMA PATIENTS. Mudanças no estilo de vida para tratamento de glaucoma. Glaucoma Patients, 2022. Disponível em: https://www.glaucomapatients.org/pt-br/tratamento-pt-br/mudancas-no-estilo-de-vida-para-tratamento-de-glauoma/ . Acesso em 08/07/22