Leitura

Conheça os alimentos que podem favorecer o seu tratamento

A depressão é uma doença grave que causa desequilíbrio das substâncias químicas que modulam as atividades cerebrais, podendo afetar muitas pessoas e mudar vidas. O tratamento médico e o psicológico ajudam a aliviar os sintomas, já o estilo de vida, como uma saudável, também pode aumentar o bem-estar de quem convive com o problema.

Muitos estudos que enfocam a dieta ou nutrientes específicos comprovam eficácia na melhora do estado mental quando administrado um nutriente ou uma dieta rica com determinadas substâncias.

 

Alimentação vs. depressão

Não existe uma alimentação específica para tratar a depressão, mas existem alguns alimentos que são mais indicados. É por meio da alimentação que o corpo humano consegue os ingredientes para produzir todas as substâncias para proteger e manter o organismo íntegro.

Muitos nutrientes estão disponíveis no mercado, na forma de suplementos, mas antes de consumi-los por conta própria, é importante consultar um médico, pois alguns podem interferir nos medicamentos prescritos.

 

A importância de bons hábitos alimentares

Um fator que pode contribuir para a depressão são os hábitos alimentares errados, ou seja, a pessoa pode estar se alimentando e não consumindo nutrientes importantes para sua recuperação.

Um estudo de 2017 descobriu que os sintomas de pessoas com depressão moderada a grave melhoraram quando receberam sessões de aconselhamento nutricional e ingeriram uma dieta mais saudável por 12 semanas.

A dieta indicada ofertava alimentos frescos e integrais, ricos em nutrientes. Também limitou alimentos refinados processados, doces e alimentos fritos.

Sintomas depressivos, incluindo oscilações de humor e ansiedade, melhoraram o suficiente para atingir os critérios de remissão em mais de 32% dos participantes.

Os pesquisadores concluíram que as pessoas poderiam ajudar a controlar ou melhorar os sintomas de depressão ao abordar a dieta de maneira mais equilibrada.

A dieta adequada por si só não é um tratamento para a depressão, mas oferece os nutrientes necessários que colaboram para que o organismo desenvolva as substâncias importantes ao equilíbrio químico para combater a doença.

No guia alimentar brasileiro, já existem referências aos alimentos chamados ultraprocessados, pobres em bons nutrientes e ricos em substâncias com efeitos maléficos ao organismo. Esses alimentos são baratos e muitas vezes consumidos de maneira que competem com alimentos saudáveis repletos de nutrientes.

Uma boa dieta é capaz de oferecer todos os nutrientes e substâncias para que o organismo mantenha as funções equilibradas e produza neurotransmissores importantes para a manutenção da saúde mental. É importante para todos em todas as fases da vida.

Saiba que se consultar com um nutricionista ao menos duas vezes ao ano é fundamental para uma alimentação saudável.

 

Nutrientes importantes

  • Selênio: castanha-do-pará, sementes e oleaginosas, frutos do mar, fígado.
  • Ômega 3: peixes de água fria oleosos, como salmão, sardinha, cavala, polaca do Alasca, nozes, semente de linhaça, chia, fígado de peixes.
  • Vitamina D: banho de sol por 30 minutos, leite e lácteos, peixes de mar, fígado.
  • Antioxidantes: frutas arroxeadas e vermelhas, vegetais e frutas amarelos, frutas cítricas, sementes e oleaginosas, cereais integrais, aveia.
  • Vitamina B12 e complexo B: carne vermelha, ovos, levedo de cerveja, fígado.
  • Ácido fólico: folhas verde-escuras.
  • Zinco: semente de abóbora, castanhas, gergelim.
  • Triptofano: presente na maioria das proteínas. Rico em chocolate, aveia, leite, tâmaras, iogurte, queijo cottage, carne vermelha, peixe, amêndoas, sementes de girassol e de abóbora, gergelim, trigo sarraceno, grão-de-bico, lentilha e castanhas.
  • Probióticos: leites fermentados, iogurtes, coalhadas.

 

Deseja saber mais sobre o assunto? Confira o semáforo da alimentação para a depressão e dicas de receitas!

 

Autora

Dra. Andréa Esquivel - CRN3: 3.050

Nutricionista especializada em Gastroenterologia.

 

Referências

 

Bjelland I, Tell GS, Vollset SE, et al. Folato, vitamina B12, homocisteína e o polimorfismo MTHFR 677CT em ansiedade e depressão: the Hordaland Homocysteine Study. Arch Gen Psychiatry. 2003;60(6):618-26.

Brown GW, Andrews B, Harris T, et al. Social support, self-esteem and pressure. Psychol Med Nov. 1986;16(4):813-31.

Bruce M, Lader M. Caffeine abstention and the management of ansiedade disorderes. Psychol Med. 1989;19:211-4.

Coppen A, Bailey J. Enhancement of the antidepressant action of fluoxetine by folic acid: a randomised, placebo controlled trial. J Affective Disorders. 2000;60:121-30.

Jacka FN, O'Neil A, Opie R, et al. A randomised controlled trial of dietary improvement for adults with major depression (the 'SMILES' trial). BMC Med. 2017;15:23. Disponível em: https://doi.org/10.1186/s12916-017-0791-y. Acesso em: 15 dez 2020. 

Lansdowne AT, Provost SC. A vitamina D3 melhora o humor em indivíduos saudáveis durante o inverno. Psychopharmacology (Berl). 1998;135:319-23.

McLeod M. Lifting depression - The Chromium Connection. 1. ed. Laguna Beach: Basic Health, 2005.

Opie RS, O´Neil A, Itsiopoulos C, et al. Review article. The impact of whole-of-diet interventions on depression and anxiety: a systematic review of randomised controlled trials. Public Health Nutrition. 2014;18(11):1-20. Disponível em: https://www.researchgate.net/profile/Felice_Jacka/publication/269098302_Review_Article_The_impact_of_whole-of-diet_interventions_on_depression_and_anxiety_a_systematic_review_of_randomised_controlled_trials/links/5480070d0cf250f1edbfaab8.pdf. Acesso em: 15 dez 2020.

Peet M, Stokes R. Omega 3 fatty acids in the treatment of psychiatric disorders. Drugs. 2005;65(8):1051-9.

Taylor MJ, Carney S, Geddes J, et al. Folate for depressive disorder. The Cochrane Database of Systematic Reviews. 2003;2(CD003390). 

Turner EH, Loftis JM, Blackwell AD. Serotonin a la carte: supplementation with the serotonin precursor 5-hydroxytryptophan. Pharmacol Ther. 2006 Mar;109(3):325-38.

Wilkins CH, Sheline YI, Roe CM, et al. A deficiência de vitamina D está associada com mau humor e pior desempenho cognitivo em adultos mais velhos. The American Journal of Geriatric Psychiatry. 2006;14(12):1032-40.

 

 

Material para todos os públicos.
EFEX-2022-0068- Junho/2022